Vida após a morte: você sabe quais as possibilidades?

Vida após a morte é uma questão que inquieta qualquer pessoa. Principalmente quem começa um processo de desenvolvimento interior. Essa não é uma pergunta nova. Com certeza deve ser uma das mais antigas da humanidade. Mas o que podemos aprender com experiências sobre a vida após a morte dentro dos estudos do Quarto Caminho? Existe a real possibilidade de obter a vida eterna? O que morre e o que sobrevive? Como se prova tudo isso?

Existem provas sobre a vida após a morte?

A Netflix disponibilizou neste início do ano um documentário de nome “Vida Após a Morte”. O documentário busca respostas sobre se existe vida após a morte por testemunhos de relatos realmente impressionantes. Fica a recomendação para quem ainda não assistiu. Vale a pena ver independente de sua crença. Afinal, o documentário não tenta provar ou justificar nenhuma doutrina filosófica ou religiosa. Nesse sentido, o documentário aborda o fenômeno da sobrevivência da consciência sem um corpo físico, mostrando fatos inquietantes. No entanto, não há uma conclusão ou explicação além dos relatos fenomenológicos. Por mais que os relatos sejam realmente impressionantes. Dessa forma, ainda assim ficam muitas questões em aberto.

como será a vida após a morte?
Existe vida após a morte? Photo by sushant photographyy on Pexels.com

Eu gostei muito do primeiro e último episódio. O primeiro episódio apresenta histórias de pessoas que viveram experiências de quase morte (EQM). Entretanto, questiono se o correto é chamar QUASE morte ou experiências de morte e retorno. Em alguns casos o relato foi de morte técnica mesmo, onde o retorno somente aconteceu após várias tentativas médicas de ressuscitação. Histórias que são verdadeiros milagres. O último episódio conta histórias marcantes de relatos de crianças que simplesmente possuem memórias vivas de outras pessoas. Todavia, podemos dizer que essas memórias caracterizam o fenômeno de reencarnação?

Terapia de regressão, memórias profundas e vida após a morte

Eu possuo uma formação como terapeuta em regressão para acesso a memórias profundas, complexos e padrões repetitivos. Já me submeti a várias sessões onde pude reviver meu processo de EQM. Quando bebê, eu tive uma morte súbita e fui reanimado pela minha mãe. Também fui submetido a várias outras sessões onde emergiram memórias de outras histórias. Eu prefiro chamar essas memórias de histórias do que de outras vidas. Isso porque mesmo que fosse possível comprovar toda a história, não se prova que existe o processo de reencarnação. No entanto, isso prova que temos uma consciência que estende muito além de nosso corpo. Dessa forma, eu tenho certeza de que a consciência vai além do tempo e do espaço. Afinal minha certeza vem pelas minhas vivências, além de testemunhos de outras histórias.

Como entender esses relatos de vida após a morte

Vou tentar explicar o que é uma memória de histórias de outras vidas. Imagina que você sai de um shopping e vai na direção de seu carro. Ao chegar perto do seu carro já com intenção de abri-lo, uma pessoa se aproxima e lhe diz que esse não é o seu carro. Você toma um choque porque o que você vê (o carro) e suas memórias passadas de tudo o que você lembra desse objeto (o carro) lhe afirmam que esse é o seu carro. A afirmação de que o carro é seu vem principalmente de sua memória que vai lhe mostrar desde o momento que você o comprou até o último momento em que saiu dele para entrar no shopping. Assim, enquanto você estiver com essas memórias o carro é seu. 

Então imagina que essa pessoa tenha a “caneta apagadora de memórias” e suma com as memórias de que aquele carro é seu. Ou seja, você não mais reconhece aquele carro como seu. Da mesma forma, o que é inquestionável em vivenciar uma regressão é que a memória de uma história sobrevive. Isso é um fenômeno observável e reproduzível. Além disso, enquanto sobreviver presa a nossa identidade não há diferença entre ter sido ou não nossa, pois, é uma única coisa. Porém, como a memória é passada de uma pessoa para outra? 

O que aprendemos com o observado em práticas?

O que a prática em grupo mostra é que recebemos memórias herdadas de nossa ancestralidade, memórias do coletivo e de histórias pessoais. As memórias do coletivo são como uma parcela que recebemos da humanidade. Uma pessoa pode sofrer com uma memória de uma história de abuso que nunca aconteceu com ela e nem com sua ancestralidade. A memória da ancestralidade é algo que herdamos de nossa linha ancestral. Pagamos as dívidas de nossos ancestrais, assim como recebemos seus patrimônios.  A memória individual é o que carregamos desde agora até pelo menos o momento que fomos concebidos. Algumas pessoas possuem memórias de estarem juntos com suas mães mesmo antes da concepção. No entanto, também existem memórias mais antigas que simplesmente sentimos que nos pertence. Sabe aquela saudade de um lugar que nunca foi? Ou um gosto exótico da sua cultura? 

quem acredita em fantasmas?
“estou morrendo de medo, eu ví um vivo!” – “Não seja tolo, eles não existem!” Photo by Karolina Grabowska on Pexels.com

No entanto, não vale a pena tentar entender além do fenômeno. Não há como dar respostas exatas a todas essas perguntas sobre vidas passadas e reencarnação. Qualquer tentativa de respostas exatas cai em especulação, dogmas e crenças. Porém, existe sim um fenômeno e podemos tirar lições disso. Começo pelo  fato de que memórias (ou histórias) são “passadas para frente” por assim dizer. Podemos lembrar da velha frase dos vários mestres espirituais sobre “o que você faz reverberará a todos”. 

Cuide de sua his´tória

Pois bem, se nossas histórias não morrem conosco e seguem adiante, isso significa que você deixa um legado aqui para seguir em frente. Então, deixar um futuro melhor para a Terra é muito mais que plantar árvores. É sobre principalmente as impressões que você deixará aqui. A sua história, de uma maneira ou de outra, sobrevive pela sua consciência.

A grande maioria das pessoas que passam por vivências de vida após a morte ou vidas passadas sentem-se deslocadas da vida normal que possuíam. Isso porque a consciência expande e há o entendimento direto de que há algo muito além do nosso controle e planejamento. Algo além da nossa compreensão, mundo material e científico. Ao mesmo tempo ficam perguntas sobre o que estou fazendo aqui? Como estou aproveitando o meu tempo ? Por que tenho de passar por tudo isso?

Mas para quê entender sobre esse processo de vida após a morte?

Muita gente acaba buscando entender o processo de vidas passadas de uma maneira a se identificar mais ainda com o personagem da história. Todavia, o processo é justamente nos distanciarmos desses personagens.Para tanto, precisamos entender o que foi aquela história. Além disso, entender qual a mensagem que ela tem a nos contar. É a velha “moral da história” que mais interessa. Aquela outra vida (ou história) já foi. Dessas histórias devemos tirar o aprendizado do que fazer e principalmente sobre o que parar de repetir. 

sua história vai além de sua vida
Conheça sua história! Photo by Anna Shvets on Pexels.com

Pode ser um processo de reencarnação em que você vem, vida após vida, repetindo um mesmo comportamento e erro. Porém, pode também ser um processo igual uma corrida de revezamento onde coletivamente repetimos os mesmos erros e padrões. Assim, as pessoas ficam tentando mudar o mundo e nunca percebem o que significa a verdadeira importância de começar a mudar o mundo por mudar a si. Isso realmente deve ser entendido como algo profundo para que aconteça efeito verdadeiro.

Talvez a vida tenha um só objetivo: aprender

Então, há sim muito aprendizado nessas vivências, além da necessidade de entender com a mente científica moderna o que é a vida após a morte. Essas experiências nos conectam diretamente com o maior mistério da humanidade. Reconectar com essas histórias nos reconecta com o que nos é mais exclusivamente humano. Dessa forma, curamos feridas, recuperamos forças, descobrimos dons e entendemos nossas escolhas. Enfim, viver essas histórias é entender que não nascemos sem conteúdo. Portanto, é entender que desenvolver espiritualmente é uma jornada para dentro de si e descobrir a verdade sobre si. Essa é a verdade que interessa.

Conceitos científicos também falham

Existem vários conceitos complexos para explicar a mente científica e dar conforto ao nosso ego sobre o fenômeno da vida após a morte. Esses artifícios são importantes, pois, funcionam como estruturas para nossas experiências. São como mapas que nos ajudam a entender o que está acontecendo. Gurdjieff por um tempo utilizou de diversas explicações complexas como escalas de hidrogênio e alimentos. Porém, uma das grandes contribuições de Gurdjieff é explicar que essas histórias são impressões que devem ser digeridas. Como todo alimento, devemos absorver todos os nutrientes dessas histórias e usá-las para atualizar a nossa alma. Esse é o caminho do crescimento espiritual. Temos uma tarefa a fazer. Entretanto, saber o que vai acontecer à frente não muda em nada a obrigação de cada um. 

Por fim, foque em trabalhar sobre si. Existe uma lei universal de que tudo que fazemos cedo ou tarde deve ser pago. Assim, se você se empenhar a fazer o que é certo para o seu desenvolvimento espiritual seu pagamento chegará. Não se preocupe em saber exatamente como. Primeiro o trabalho, depois o resultado e por fim a recompensa. Seja essa recompensa um futuro melhor para sua alma ou para a alma de todos. Pode ser que um dia vamos descobrir que essa distinção não faz muita diferença.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: